Benchmark Brasil de Employee Experience 2020

Team Upp | Novembro, 2020

Temas abordados

  • O novo cenário mundial de relações empresariais

  • O que é EX - Employee Experience?

  • A jornada do colaborador

  • Atração, Seleção e Onboarding

  • Desenvolvimento, Promoção e Retenção

  • Offboarding e Alumni

  • Os impactos de EX no mundo pós-pandemia

  • O cenário brasileiro para pensar EX

Fase qualitativa: 20 pessoas entrevistadas
Fase quantitativa: 133 participantes

Quem não gostaria de trabalhar em uma empresa que olha atentamente para o colaborador, que entende os momentos de verdade, que sabe da importância de cuidar da jornada do funcionário que está engajado com a agenda mundial de saúde mental, responsabilidade social e compromisso com o planeta?


As organizações e seus líderes parecem já ter a resposta para esta pergunta, buscando construir programas bem fundamentados e de sucesso para experiência do colaborador, principalmente na Europa e Estados Unidos.
As vantagens competitivas e resultados obtidos nestes centros propiciaram um terreno fértil para discussões, produção de estudos e livros que vem iluminando a trilha de desenvolvimento da prática de Employee Experience em novas fronteiras e mercados como o Brasil.


Embora algumas aplicações e ferramentas possam ser de fácil reprodução por aqui, a estratégia de copia e cola dos puffs amarelos, mesas de jogos e ambientes que nos deixam maravilhados podem até acender uma centelha de interesse, mas não produzem os resultados prometidos.

Pensar e praticar EX em empresas que atuam no Brasil requer um novo olhar, entender outra conjuntura, cultura, motivações e desafios. Para tanto, trouxemos esta proposta de escuta, sob a perspectiva de profissionais de recursos humanos de empresas brasileiras e de multinacionais que operam por aqui, para colaborar com esse entendimento.

Team Upp - Business Development Manager | Growth PM

Onde estamos no novo cenário mundial de relações empresariais?

Coordenador da pesquisa

Do material obtido nesse estudo, um dos fatores mais relevantes é o de que o
altíssimo nível competitivo está vinculado a novos paradigmas éticos e de responsabilidade com a sociedade. Esse novo arranjo das relações entre as organizações, a sociedade, seus consumidores e seus colaboradores tem criado um cenário bastante único e novo. Assim, as diferenças geracionais entre os novos talentos e a cultura consolidada nos ambientes de trabalho que eles ingressam têm se mostrado ponto de suma atenção.
Com as novas gerações vêm junto novas tendências, novas leituras e novos
compromissos. O surgimento desses interesses, desejos e consciência em relação ao mundo são desafios presentes em todas as organizações, e olhar para
eles é mais do que lidar com um problema. Ter um olhar atento e atualizado
sobre o que sentem e querem os talentos de hoje é estratégia fundamental para
sobrevivência. 

''UM LÍDER QUE É DE OUTRA GERAÇÃO,
QUE NÃO A DIGITAL, PODE SENTIR MAIS
DIFICULDADE EM CRIAR CONEXÕES.''

(MARCIA BATISTA DO SANTOS, ACCORINVEST)

O que é Employee Experience?

Employee Experience compreende as experiências que colaboradores têm durante sua jornada em suas corporações. Isso significa o que eles observam na natureza do trabalho, nos valores, no ambiente físico em que o trabalho se desenvolve, bem como as ferramentas tecnológicas que são disponibilizadas. 

Fazer gestão de marca é passar sempre pela ideia de que tudo o que a compõem; todos os elementos que constituem uma organização, passando desde a brand voice até às ferramentas tecnológicas que ela usa, são cruciais para manter um discurso consistente dela mesma. Assim, olhar para todos os setores de maneira coesa e dando importância a elas é o que permitirá que todas as etapas de empreendimento sejam eficazes. Para se pretender atualizada com o mundo competitivo, essa abordagem precisa olhar para o que vivenciam os colaboradores. Ser uma empresa em que se quer trabalhar é tão importante quanto ser uma empresa que oferece um produto interessante porque, no fundo...

...É TUDO SOBRE COMO AS PESSOAS SE SENTEM.
SEJAM DE CONSUMO OU DE TRABALHO, ESTAMOS
FALANDO SOBRE EXPERIÊNCIAS DE PESSOAS.

 

A Jornada do Colaborador

Atração, Seleção e Onboarding

O olhar de EX entende que desenvolver Employer Branding vem junto com potencializar todos os momentos da jornada do colaborador. Assim, uma das maiores queixas que esse estudo verificou compreende a dificuldade em atrair profissionais com as competências desejadas pelas organizações. O número é significativo:

Hoje, segundo uma pesquisa liderada pela Glassdoor, a maioria dos candidatos a empregos procuram informações sobre uma empresa ou vaga em sites de busca. O aumento do número de portais de avaliação de empresas como esse indica o desejo dos funcionários de entender como será sua experiência em uma organização.

É por isso que focar em como o colaborador se interessa pela empresa em que vai performar é fundamental. As pessoas cada vez mais procuram e investigam uma organização antes de se aplicar a uma vaga. Isso mostra que há uma seleção dos novos talentos no que diz respeito a seus interesses em performar em uma determinada empresa. O fit cultural vale, mais do que nunca, para os dois lados.

O estudo quantitativo liderado pela Team Upp apontou que 69,92% das mais de 133 empresas pesquisadas ainda não têm consolidado um programa de Employer Branding. Todavia, 87,22% delas indicaram sua importância, e 

90%

das organizações entendem a atração de novos talentos como um dos seus principais desafios.

77,45% 

das empresas já colocam em prática ou estão no período de desenvolvimento de estratégias que as consolidem como marcas empregadoras.

Isso significa que as lideranças de grandes empresas que atuam no mercado brasileiro estão desenvolvendo estratégias abrangentes e focadas nas demandas do cenário atual.

Os impactos de Employee Experience no mundo pós-pandemia

A pandemia da Covid-19 trouxe novos desafios e acelerou outros que já vinham se estabelecendo como demanda para atração de novos talentos. O que foi averiguado é que esse entrave está presente quando se percebe a ausência do casamento de estratégias distintas para a atração e onboarding. Notou-se que poder contar com ferramentas tecnológicas é crucial na hora da atração.

+85% 

das empresas disseram já contar ou estar em fase de implementação de recrutamento totalmente digitalizado

Outras estratégias podem ser notadas, mas a integração da equipe de  colaboradores se mostrou fundamental. Quando se fala em sentimento de pertencimento, integrar e apresentar pessoas que fazem parte de uma organização se tornou tarefa importantíssima. O isolamento social, a pouca convivência com colegas e o sentimento de incerteza podem ser objetos de investimento de uma empresa, se esta tem o objetivo de integrar e manter seus talentos. Uns dos métodos percebidos por esses estudo foram os de apresentar o corpo de executivos para os novos talentos mensalmente, dicas de how to do sobre home office, Happy Hours via plataformas digitais.

''NÃO SABÍAMOS QUE TRABALHO REMOTO DARIA TÃO CERTO, SE SOUBESSEMOS TERÍAMOS IMPLEMENTADO ANTES, COM A CONSTRUÇÃO DE UMA CULTURA DIGITAL COM COLABORAÇÃO.''